domingo, 26 de maio de 2013

Feira do Livro 2013



Apesar de já há muito tempo não postar nada aqui no blog, não quer dizer que tenha "abandonado" este meu vício de ler e de tudo o resto que tenha a ver com livros e o mundo que os rodeia.
Sendo assim, aproveitando já estar em Lisboa hoje, decidi dar uma "espreitadela" à edição deste ano da Feira do Livro de Lisboa.
Para mim ir à Feira do Livro, é um ritual que eu raramente falto, adoro lá ir, subir e descer o Parque Eduardo VII várias vezes, ver os livros, os stands, as pessoas e toda a animação que rodeia este acontecimento literário.
Infelizmente, desde alguns atrás para cá, não há ano nenhum em que não haja algo a ensombrar a Feira, e este também houve... Não diretamente com a Feira de Lisboa, mas a não realização da mesma no Porto.
Sendo assim, depois de um bom almoço de comida oriental na Baixa e de um café numa esplanada num dos quiosques da Avenida da Liberdade, lá fui eu...
A Feira em si, mantém-se na mesma forma física, duas filas de stands em ambos os lados do Parque,  intervalados com alguns stands de comes e bebes e de atividades lúdicas e recreativas (principalmente para os mais pequenos).
Hoje estava um dia excelente, não muito quente, apenas com um pouco de vento, mas nada que chateasse o que tornou o passeio ainda melhor, comecei pelos stands dos alfarrabistas e livrarias, onde se podem encontrar livros e edições antigas ou de fim de catálogo e quase sempre a preços muito acessíveis, depois passei pelas editoras de livros técnicos e das
universidades e depois as editoras "generalistas".
Tal como sabemos, o mundo editorial e o livro, cada vez mais é ditado tanto pelo mundo económico, como pelas modas...
Em relação às "modas", não me pronuncio... Mas em relação ao resto, infelizmente cada vez mais as editoras, não são editoras cuja missão era divulgar a literatura, os autores, a cultura, mas sim "máquinas de fazer dinheiro".
Quem conhece o meio editorial em Portugal, sabe que existem bastantes editoras, e também sabe que muitas dessas editoras estão agregadas a três grupos que atualmente dominam o mundo do livro e isso reflete-se também na feira.
O que eu quero dizer com isto, é que com a agregação dos stands das editoras desses grupos em "praças", com sensores de alarmes, seguranças e filas para pagamento nas caixas, tira em muito o espírito de "Feira", e parece que estamos em qualquer centro comercial.
E este ano ainda mais triste fiquei, porque umas das editoras que mais gosto e onde compro livros, a Assírio & Alvim, foi adquirida também por um desses grupos e estava para "lá enfiada",e descaracterizada, com livros de extrema qualidade pouco visíveis e preteridos por outros da "moda".
Mesmo assim, ainda comprei dois livros, "Cultura - Tudo o que é preciso saber" de Dietrich Schwanitz e "Todas as Palavras - poesia reunida" de Manuel António Pina.
Apesar de tudo foi um bom passeio e uma tarde bem passada.


2 comentários:

Catarina Garcia disse...

Esperemos nós que com as modas venham novos leitores exigentes que procurem algo mais do que lhes é dado à partida.
Cabe-nos a nós, leitores, partilhar o que há de bom para ler para nao cedermos tao facilmente às modas. Ai entras tu com este blog que sempre adorei ler.
Continua!

Eugenia Do Vale disse...

Olá Nuno!
Faz anos que não vou há feira do livro, a pesar de morar aqui ao pé...
Deixei de ir mesmo por isso, não gosto de estar em bichas para pagar, nem de andar de um lado para o outro sem conseguir ver o que procuro, habituei-me muito a bibliotecas, ou ler livros emprestados e recomendados, nunca soube muito bem como se escolhe um livro...
Gosto muito de ler e vou continuar a ler e é por isso que venho aqui, para ver o que recomendas...
beijinho