segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Da Condição Humana - Ary dos Santos


Todos sofremos.
O mesmo ferro oculto
Nos rasga e nos estilhaça a carne exposta
O mesmo sal nos queima os olhos vivos.
Em todos dorme
A humanidade que nos foi imposta.
Onde nos encontramos, divergimos.
É por sermos iguais que nos esquecemos
Que foi do mesmo sangue,
Que foi do mesmo ventre que surgimos.

Ary dos Santos, in 'Liturgia do Sangue'

2 comentários:

Maldonado disse...

Gostei bastante deste poema. Aliás A. S. toca sempre o nosso âmago... ;)

Adelaide disse...

Também admiro!
Jitos