sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Os Prazeres e as Sombras - Ballester





Durante as últimas arrumações que de vez em quando faço nos livros que tenho no meu escritório/biblioteca na minha casa, fixei o meu olhar nos três volumes de "Os Prazeres e as Sombras" de Gonzalo Torrente Ballester e decidi voltar a relê-los.
Li esta obra se não me engano por volta de 1999 quando vivi na ilha do Faial nos Açores.
Nessa altura tinha então vinte e poucos anos, e adorei ler essa história, chegando mesmo a marcar-me. Agora passados quase dez anos voltei a reler esses livros, com mais maturidade e experiencia de vida, tendo com isso apreciado ainda mais a história e tudo o que ela nos transmite.
“Os Prazeres e as Sombras”, estão divididos em três livros: “Aí Vem o Senhor”; “Onde os Ventos Mudam” e “A Páscoa Triste” e retratam a vida numa pequena cidade da Galiza nos anos trinta do séc. XX imediatamente antes da guerra civil que tanto infortúnio trouxe a Espanha.
A acção inicia-se com a chegada de Carlos Deza, o último dos Chuchurraos, família de descendencia nobre que detinha o poder na cidade de Publanueva del Conde desde sempre mas que agora se encontra em decadencia. O poder é agora exercido pela família Cayetano donos do grande estaleiro que emprega a quase totalidade das pessoas da cidade.
Originários das classes baixas, do “povo” os Cayetanos conseguiram construir a fortuna a seu custo, com a criação e evolução do estaleiro, sendo por isso inimigos declarados dos Chuchurraos que apenas herdaram as riquezas e o poder dos antepassados.
Com a chegada de Carlos Deza, que tinha saido de Pueblanueva muito novo, e entretanto formado em psicologia na Austria, com Freud, cria-se um clima de expectativa e de guerra surda entre as familias, seus apoiantes e o que elas representam.
Por um lado temos o filho Cayetano, o todo-poderoso da cidade, o mais rico, mais cobiçado pelas mulheres e com um numeroso grupo de “bajuladores” e “alcoviteiros”, sempre prontos a estarem do seu lado se isso lhes trouxer benefícios. E do outro lado Carlos Deza, pouco interessado na vida da cidade e das suas “guerras”, mas incitado e apoiado pela D. Mariana a segunda pessoa mais rica da cidade e dona dos barcos de pesca que ainda não estão debaixo da alçada de Cayetano.
Intervém também uma mulher (Clara Aldán) que se interpõe entre ambos e que vai ser a responsável da mudança definitiva que irá acontecer na vida de todos no final.
Ao longo de cerca de dois anos, inúmeros acontecimentos irão perturbar, interferir e alterar a vida da cidade e dos seus habitantes contribuindo para a grande diversidade da história.
Esta obra, traz-nos um grande leque de personagens, com uma grande complexidade emocional e psicológica, explorada ao máximo, retratando as suas paixões, os seus medos, o seu íntimo e as suas guerras interiores, de uma forma fenomenal, intensa e séria, que nos prende à leitura até à última página do último livro.
Para além de toda a complexidade com os personagens, Ballester também descreve uma época da história de Espanha muito conturbada, onde uma sociedade muito agarrada às suas tradições ainda “feudais”, tenta passar e adaptar-se a uma modernidade, tanto social como política.
Foi a época da República, do socialismo, do anarquismo, das lutas contra igreja e que culminaram com a guerra civil e com a ditadura de Franco.
Aborda também questões de temática religiosa e a visão da mesma por várias perspectivas, tanto dentro da igreja, como fora dela.
Esta obra está considerada uma das obras-primas da literatura do séc. XX e trouxe toda a mestria, conhecimento e sensibilidade de Ballester ao de cima.
Foi igualmente adaptada como uma série de TV em Espanha.
Já li muitos livros, mas nunca nenhum que me apaixonasse tanto como este(s). São três livros que rondam as 400 páginas cada, mas de uma leitura suave e envolvente, faz-nos entrar dentro da história, de uma forma tal que é um custo parar de ler.
Para quem não tenha medo de ler, este livro(s) é o que eu mais aconselho a ler a toda a gente.
Fiquem bem.

7 comentários:

Maldonado disse...

Que descrição fantabulosa! :D
Parece ser uma obra fascinante.
Conheço Ballester, embora ainda não tenha lido nada dele. Sei que é um autor com uma escrita complexa e uma ironia acutilante. Faz parte da minha lista de escritores a ler em breve...

Brown Eyes disse...

Sem dúvida um grande escritor.

Fica bem

BE

Nuno Gonçalves disse...

Caro Pipas
Não posso deixar de concordar muito consigo. Li este livro com 23 anos, no inverno de 1999 e agora tenho 33. Que coincidência interessante. Ontem pediram-me da Rede UC para dar uma pequena entrevista sobre um livro que me tivesse marcado e decidi que seria sobre "Os Prazeres e as Sombras", provavelmente dos que mais me marcaram de sempre. Fui pesquisar um pouco sobre o livro para me relembrar dos nomes de algumas personagens, apesar de nunca me ter esquecido da Clara, quase um alter ego, e deparei-me com a sua descrição excepcional. Obrigado por me ter feito relembrar tão bem o encanto da obra. Decido voltar a lê-la também.
O que mais achei interessante no livro é a profundidade emocional que Ballester dá aos persogagens e a evolução coerente que estes fazem ao longo da obra. Uma angústia a chegada ao fim da obra, por se saber que não haverá mais.
Depois deste, li imensos de Ballester e aconselho também o "Filomeno, para meu pesar" ou o "Off-side".
Cumprimentos,
Nuno Gonçalves.

macati disse...

ola!
sim, esta trilogia é FANTASTICA... sempre que me perguntam sobre livros, refiro sempre os prazeres e as sombras...
alias, alem desta trilogia gosto muito dos outros livros de ballester... aind nao li todos...
mas este verao tive a oportunidade de ver uma exposiçao sobre este escritor em santiago de compostela...

Anónimo disse...

Vi a série faz muito tempo e era fantástica...

Anónimo disse...

vi a série faz anos e era fantástica...

Pedrita disse...

muito obrigada pela indicação, anotei os livros. beijos, pedrita